Atendimento
Seg. à Sex. 08:00 às 12:00 | 14:00 às 18:00
(34) 3213-2420

Virtual Soluções em Negócios - notícias e dicas importantes pra você e sua empresa

Custos mais baixos, qualidade de vida elevada e índices avançados de capital humano e inovação fazem das cidades do interior bons lugares para empreender no país. É o que mostra pesquisa da Endeavor divulgada no ano passado, que avaliou o ambiente de negócios em 32 municípios brasileiros de médio e grande porte.

São dez cidades do interior presentes no ranking, sendo seis entre as dez primeiras colocadas. Foi a primeira vez que os municipios de médio porte do interior do país superaram as capitais em número de representantes nas primeira colocações. A pesquisa começou a ser feita em 2014.

Campinas, em São Paulo, é a cidade do interior melhor colocada na pesquisa. O município paulista aparece na terceira colocação, atrás apenas das capitais São Paulo e Florianópolis. Joinville, localizada no norte catarinense, subiu cinco posições entre 2015 e 2016 e alcançou o quarto lugar nacional e o segundo no ranking do interior.

Entre as paranaenses, estão Maringá e Londrina, ambas da região Norte do estado. Maringá subiu duas colocações e ficou em nono lugar no ranking geral e em quinto lugar na lista das cidades do interior. Já Londrina caiu duas posições e ficou em 19.ª na classificação geral e em décimo entre as melhores do interior.

A pesquisa da Endeavor analisa o ambiente de negócios nos municípios a partir de sete pilares: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura. A maioria dos dados econômicos e sociais é de 2015.

Confira o perfil das melhores cidades do interior para empreender:

CAMPINAS

Colocação ranking interior: 1ª

Colocação ranking geral: 3ª

A cidade do interior de São Paulo subiu duas posições em 2016 na pesquisa da Endeavor a apareceu na terceira colocação entre as cidades que possuem o melhor ambiente de negócios do país. É, ainda, a primeira colocada no ranking que leva em consideração somente municípios do interior do país.

O crescimento do PIB, as compras municipais, a qualidade do ensino superior e a mobilidade urbana são os indicadores que fazem de Campinas a melhor cidade do interior para empreender. Segundo a Endeavor, as compras da prefeitura campineira para empreendedores aumentaram 16% em 2015 e o município teve um crescimento de 4,1% entre 2012 e 2014.

A cidade também avançou no indicador de mobilidade urbana, alcançando a segunda colocação geral, mesmo com quase um milhão de habitantes. O fato de ser cortada por diversas rodovias e por ter um dos aeroportos mais movimentados do país (Viracopos) facilita o deslocamento e acesso ao município.

Campinas também avançou na qualidade do ensino superior, ao saltar de 17,1% dos alunos matriculados em cursos de alta qualidade em 2014 para 26,1% em 2015.

JOINVILLE

Colocação ranking interior: 2ª

Colocação ranking geral: 4ª

Joinville é a segunda melhor cidade do interior para empreender, segundo a Endeavor. A cidade do norte catarinense subiu cinco colocações no ranking geral em 2016 e alcançou a quarta posição. O ambiente regulatório é o destaque positivo da cidade, seguido de infraestrutura e capital humano.

A cidade tem a menor alíquota de ISS entre as 32 cidades pesquisadas, ao lado de Salvador, com taxa de 3,65%. Tem, também, a maior proporção de indústrias inovadoras, ao lado de Caxias do Sul, Blumenau e Maringá, e um dos maiores níveis de exportação.

Já com relação à educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica alcança 5,5 pontos para os anos finais, a nota mais próxima da média seis, equivalente à encontrada em países desenvolvidos.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Colocação ranking interior: 3ª

Colocação ranking geral: 6ª

Sede da Embraer e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), São José dos Campos, no interior de São Paulo, é a terceira cidade do interior com o melhor ambiente de negócios e a sexta colocada, incluindo as capitais.

A cidade é líder em inovação entre todas as cidades analisadas. Segundo a Endeavor, o município tem a maior proporção de trabalhadores em empresas de Ciência e Tecnologia, atingindo mais de 14% do total, e recebe volumes de recursos para inovação acima da média.

Foram disponibilizados, em média, R$ 16 mil para cada empresa existente em linhas de crédito para inovação do BNDES e da Finep. É, também, sede do Parque Tecnológico de São José dos Campos, com 32 empresas instaladas.

SOROCABA

Colocação ranking interior: 4ª

Colocação ranking geral: 8ª

Na quarta colocação entre as cidades do interior, Sorocaba, no interior de São Paulo, subiu oito posições em 2016 no ranking geral e terminou entre as dez melhores cidades para empreender do país.

A cidade tem o melhor índice de condições urbanas entre os 32 municípios avaliados, o que inclui as capitais. É o local com o menor custo médio de energia elétrica e o melhor índice de fluidez do trânsito. Está, ainda, na segunda colocação quanto à taxa de população com acesso à internet de alta velocidade, atrás apenas de Florianópolis.

Outro destaque da cidade, segundo a Endeavor, foi o surgimento de empresas ligadas à tecnologia e inovação. Foram criadas 105 empresas de economia criativa e 152 de tecnologia da informação em 2015, a maior expansão proporcional entre as cidades.

MARINGÁ

Colocação ranking interior: 5ª

Colocação ranking geral: 9ª

Melhor paranaense colocada na lista, Maringá, no norte do estado, subiu duas posições em 2016 e ficou na nona colocação entre as melhores cidades do país para empreender. O município é referência no Sul quanto à cultura empreendedora, ou seja, tem a população mais engajada quando o assunto é ter o próprio negócio, principalmente empresas de alto impacto.

Em Maringá, o empreendedorismo é visto como algo positivo entre os moradores da cidade. Mais da metade (56,78%) da população discorda parcial ou totalmente de que “empreendedores exploram seus funcionários” e 42,1% discordam de que “empreender na cidade é difícil”.

A cidade também está entre as seis primeiras colocadas em proporção de empresas com patentes e está entre as quatro maiores com maior proporção de indústrias inovadoras.

RIBEIRÃO PRETO

Colocação ranking interior: 6ª

Colocação ranking geral: 10ª

Depois de subir duas posições no ranking geral, Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, entrou na lista das dez cidades do país com o melhor ambiente para negócios. Ambiente regulatório e infraestrutura são os pilares mais bem avaliados do município paulista, segundo o estudo da Endeavor.

Ribeirão Preto possui o quarto menor IPTU e o terceiro menor ISS entre todas as 32 cidades analisadas. Também apresenta poucas atualizações tributárias municipais, o que diminui a complexidade e facilita a vida dos pequenos e médios negócios.

CAXIAS DO SUL

Colocação ranking interior: 7ª

Colocação ranking geral: 12ª

Único representante do interior do Rio Grande do Sul, Caxias do Sul subiu quatro posições em 2016 e alcançou a 12ª colocação entre 32 cidades analisadas. É a cidade com a maior média de investimento do BNDES e da Finep para a área de inovação: R$ 17,6 mil por empresa existente.

Também é a mais bem colocada em porcentagem de empresas que exportam: 2,2% do total de negócios do município exportam, contra 0,58% da média das cidades analisadas. Outra conquista importante para a cidade foi reduzir em mais de 150 dias o prazo para regularizar uma empresa, em especial as de baixo risco.

BLUMENAU

Colocação ranking interior: 8ª

Colocação ranking geral: 13ª

Representando o Vale do Itajaí, em Santa Catarina, Blumenau ficou no oitavo lugar entre as melhores cidades do interior para empreender e em 13º no ranking geral, após subir sete posições. É o município com maior proporção de empresas do setor de tecnologia (2,9%) e só perde para Sorocaba no índice de condições urbanas, que mede a qualidade de vida.

UBERLÂNDIA

Colocação ranking interior: 9ª

Colocação ranking geral: 17ª

Uberlândia (MG), na 17ª colocação geral, é a cidade com o melhor ambiente regulatório. É lá que está o menor tempo de abertura de empresas do país: 52 dias. A cidade também tem o menor índice de complexidade tributária municipal entre os municípios avaliados. Esses fatores garantiram ao município do interior mineiro a nona colocação no ranking das melhores cidades do interior para empreender.

LONDRINA

Colocação ranking interior: 10ª

Colocação ranking geral: 19ª

Apesar de ter caído duas posições na pesquisa geral, Londrina, no norte do Paraná, aparece entre as dez melhores cidades do interior para empreender. O melhor indicador da cidade é infraestrutura, com os menores custos médio de energia elétrica (R$ 0,421) e preço médio do médio quadrado (R$ 3.531,88). Também tem uma taxa elevada (13,05%), entre os municípios avaliados, de população com acesso à internet de alta velocidade.

Fonte: Gazeta do Povo

Associados

Filie-se a Unedi

filie-se

Agenda

Dezembro 2017
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Parceiros

4 logomarca uso diversosRED


 


logotop-unedi 


 logo-mini-parceiro


 

virtual-assessoria-contabil

 


 

augustus-red

 


 

sin-empregos-uberlandia

 


 

LOGO-MINI-PARCEIRO

 


 

 MARCA AntonioCarlos-red

 

Agenda de Eventos

Dezembro 2017
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Redes Sociais

Scroll to top